[ Instrução ]

Maior segredo do approach é manter a tranqüilidade
29/11/2005 - 16h33
Acácio Jorge Pedro

Acompanhe o jogo de approach do paulista Acácio Jorge Pedro, 45 anos, 36 de golfe, e por seis anos o Pro número 1 do Brasil. Tem mais de 30 títulos conquistados, e diz que o feito mais importante foi passar a classificação na Jamaica, para o Mundial, na década de 90, entre 15 países. Ele é o Rei do Approach.
 
Analiso bem o que vou fazer e, depois que tomo a decisão, me concentro totalmente na jogada que imaginei. O drive é importante, mas é com bons approaches que você ganha o jogo. Um dos tacos que me dá mais segurança é o sand.
Quando estou com ele na mão, meus amigos brincam: “ele já está pensando em fazer birdie”.

Um approach perfeito depende muito da saída. Um bom primeiro tiro é fundamental para dar confiança ao jogador e facilitar as jogadas seguintes. Eu não bato longe, mas procuro sempre colocar a bola no meio do campo. Não me preocupo muito com o drive. Jogo mais com madeira 3 e ferros.
 
O que mais cobro de mim é um bom approach. É o que resolve o jogo.
 
 
Dicas do campeão
 
PENSANDO POSITIVO
Ao entrar no campo tenho pensamento positivo. Só penso que vou jogar bem.
Nada de pensar que poderei fazer bogey. Minha meta é fazer par do buraco ou birdie.
 
ROUGH
Quando a bola cai no rough, procuro colocá-la pelo caminho mais fácil. É muito mais seguro. Jogada difícil só em jogo de brincadeira.
 
TACOS
Escolher o taco correto é essencial. Vejo primeiro a distância que quero alcançar. Se tenho chance de chegar no green, faço isso. Mas se tenho certeza de que não chegarei no green, prefiro jogar para ficar a 90 ou 100 jardas da bandeira, porque sei que na jogada seguinte chego lá. Num approach longo você corre o risco de cair numa banca de areia.
 
 
PAR 5
As duas primeiras tacadas são fundamentais. Procuro sempre colocá-las no meio da raia.
 
PAR 4
Nem sempre saio com o drive, porque pode me deixar numa situação ruim para o segundo tiro. Só jogo com o drive
quando tenho certeza de que vou ficar a mais ou menos 100 jardas da bandeira.
 
PAR 3
Não tem approach. Jogo direto para a bandeira, só verificando antes em que posição ela está no green, para não cair numa banca ou escapar do green. O importante é não passar a bandeira.
 
BANDEIRA
 
Quando estou vendo a bandeira, olho primeiro a posição onde está colocada e analiso duas possibilidades:
1 - Se a bandeira está muito na entrada do green, prefiro um tiro meio baixo na linha da bandeira para a bola entrar rolando. Geralmente uso o sand. Ele me dá muita confiança.
 
2 - Se a bandeira estiver no fundo, bato a bola mais alta, para que ela alcance a bandeira.
 
GREEN MOLHADO
É mais fácil e gostoso de jogar. Até de madeira chego num green molhado.
 
 
GREEN DURO
Estudar o green é importante. Se o green está duro a bola corre muito. Procuro jogar a bola bem alta para ela não correr quando cai. Eu treino muito, porque no Brasil os greens
estão cada vez mais duros e exigem habilidade do jogador.
 
PUTT
Vejo a caída do green e deixo sempre o putt na subida. Controlo bem a força para nunca deixar o putt numa descida.
 
LIMPEZA
Os tacos e as bolas devem estar muito bem limpos, em todas as jogadas.
 
TRANQUILIDADE
Muitos jogadores erram uma tacada e ficam apavorados, querendo recuperar o erro na segunda tacada. Eu mantenho a tranquilidade. Vou lá, estudo a jogada e penso com cuidado onde vou jogar a bola, para não cometer um segundo erro. Se não dá para recuperar num buraco, lembro que há muito jogo ainda pela frente. Claro se o erro não for a última bola do último dia.
 
Empresa especializada em golfe. Mais de 20 anos no mercado
Clique aqui e conheça
SIMON PRESS
Assessoria de Comunicação em
esporte, saúde, empresas, eventos. Revistas, catálogos e sites.
 Minigolfe
Locação e eventos
(11) 2280-4962
 Consultoria
Palestras em escolas e empresas (11) 2280-4962
 LEI DO INCENTIVO
Projetos e Gestão - Simon Comunicação
(11) 2280-4962
Anuncie em Golfexpress
(11) 2280-4962