[ Saiba tudo > Entenda o golfe ]

ENTENDENDO O GOLFE
25/8/2014 - 19h54

ENTENDENDO O GOLFE

OBJETIVO

O objetivo do golfe consiste em sair de um local determinado e embocar a bola num buraco distante, com o menor número de tacadas possível. Um campo oficial de torneio tem 18 buracos, estrategicamente colocados pelo campo, em distâncias diferentes.

 

O Jogo

O golfe pode ser jogado individualmente ou em grupos de dois a quatro jogadores, havendo diversas modalidades de disputas. O principal adversário do jogador é o próprio campo, uma vez que não há nada que ele possa fazer para dificultar o desempenho dos outros jogadores. Em competições oficiais, é proibido ao golfista falar com outros jogadores acerca do jogo. Já entre amigos, é normal o mais experiente dar "dicas" aos mais fracos.

 

O Campo

Não há um campo de golfe igual a outro, pois eles são construídos aproveitando ao máximo a topografia do terreno. Há campos em regiões montanhosas, planícies, regiões costeiras e até em desertos. Eles têm normalmente 9 ou 18 buracos. Um campo de golfe oficial ocupa de 600 mil a um milhão (ou mais) de metros quadrados. Um campo de 18 buracos tem cerca de seis quilômetros de extensão em linha reta, e demora de quatro a cinco horas para ser percorrido.

 

Handicap

O esporte tem um sistema chamado handicap que possibilita a jogadores de diferentes qualidades disputar uma partida entre si. O handicap confere tacadas de bonificação ao jogador menos experiente para serem descontadas ao término do jogo.  Quanto menor o handicap, melhor o jogador. Um profissional tem handicap zero, embora o mais correto seja dizer que não tem handicap. O handicap varia de 0 a 40 e, conforme o jogador progride no esporte, vai "baixando" o handicap, até chegar a zero, prosseguindo como amador ou profissional.

 

Percurso

Conheça as denominações existentes em um campo de golfe:

Tee - local de saída

Fairway - região de grama baixa onde é fácil para o jogador dar a próxima tacada. O fairway pode ser entrecortado por rios, lagos, bancas de areia (bunkers) e outros obstáculos (chamados azares) para dificultar o progresso do jogador

Rough - região de grama alta, onde é difícil bater a bola

Green - local de grama rasteira e muito bem aparada, com altura média de 2mm, onde fica o buraco

 

Natureza

O golfe é um esporte ecológico. Coloca o homem em contato com a natureza e estimula a preservação de árvores e animais, favorecendo a sociabilização. Não tem idade para começar ou ser praticado.

 

Desenho e Projeto

Os principais campos do mundo são desenhados por grandes projetistas, que têm tanto prestígio quanto estilistas de moda, o que contribui para a fama do campo. Cada buraco é planejado para testar a habilidade do jogador. O buraco pode estar atrás de uma curva, em cima de um morro, numa ilha, ou, simplesmente, num campo aberto de fácil acesso. No tee de cada buraco (local de saída), há uma placa com a distância a ser percorrida e um mapa para que o jogador escolha a melhor estratégia para suas tacadas até chegar ao buraco.

 

Par do Buraco

Desde o local de saída (tee) até o buraco, o número médio de tacadas necessárias para embocar a bola é um valor de referência chamado "par do buraco".

Conforme a distância, o buraco é considerado "par três" (até 228m), "par quatro" (até 430m) ou "par cinco" (mais de 430m). Para as mulheres, as distâncias são um pouco menores.

 

Par do Campo

Somando o par de todos os buracos temos outro valor de referência, o "par do campo". Se um campo tem par 71, o ideal para um jogador é, ao término dos 18 buracos, chegar o mais próximo possível desse número.

Veja como se fala o resultado do jogador (em relação ao par 71):

70 tacadas = uma (tacada) abaixo

71 tacadas = par do campo

69 tacadas = duas abaixo

72 tacadas = uma acima

73 tacadas = duas acima

 

Hole in One

Geralmente é nos buracos de "par três" que acontece a famosa jogada hole in one, que consiste em embocar a bola em apenas uma tacada.

 

Modalidades

Há muitas modalidades no jogo de golfe. As mais utilizadas são stroke play, onde o vencedor é quem faz menor número de tacadas entre os jogadores, e match play, onde são conferidos pontos a cada buraco. Por exemplo, no primeiro buraco o jogador A emboca a bola em menos tacadas que o jogador B, recebendo um ponto, e assim por diante. Quem somar o maior número de pontos é o vencedor. O golfe também pode ser jogado em duplas ou trios, ou outras modalidades.

 

Vocabulário

Albatroz - acertar o buraco com três tacadas abaixo do par estabelecido.

Air shot - errar completamente a bola ao fazer o swing.

Approach - tacada de aproximação que leva ao green, geralmente na distância de 90 e 140 metros.

Birdie - acertar o buraco com uma tacada abaixo do par.

Bogey - acertar o buraco com uma tacada acima do par.

Bunker - bancos de areia que servem como obstáculo.

Caddie - carregador de tacos.

Chip shot - tacada curta, perto do green.

Drive - primeira tacada a partir do tee. É também o nome do taco usado para tacadas de longa distância.

Eagle - embocar a bola com duas tacadas abaixo do par.

Fairway - região central do campo, entre o tee e o green.

Green - área onde fica o buraco, onde a grama é fina, compacta e aparada rente ao solo.

Hazard - obstáculo (de água ou areia).

HCP (handicap) - tipo de pontuação que mede o aproveitamento de cada golfista, sendo subtraído do total de tacadas. É usado para igualar dois jogadores de níveis diferentes. Um iniciante recebe handicap 40 e um profissional handicap zero.

Hole - buraco sinalizado por uma bandeira.

Hole in one - acertar o buraco com uma única tacada. Nos tempos antigos, era tradicional tocar um sino na sede do clube a cada hole in one feito no campo e o autor da proeza pagava a comemoração no bar. Hoje, em muitos clubes a tradição é mantida e, como prevenção, os jogadores fazem seguro para cobrir as despesas.

Iron - taco de ferro, usado para jogadas curtas.

Par - referência da média de tacadas para embocar a bola. Cada buraco tem seu par e cada campo tem um par total.

Putt - tacada no green para atingir o buraco. O taco para esse tipo de jogada chama-se putter.

Rough - local de grama mais alta e difícil de jogar, geralmente perto de árvores e arbustos.

Scratch - categoria onde não há desconto de handicap.

Stance - posição do jogador na hora da tacada.

Swing - movimento do corpo para dar a tacada.

Tee - local onde é dada a primeira tacada em cada buraco. Também é o nome do pino de plástico ou madeira que sustenta a bola na primeira tacada em cada tee.

Wood - taco usado para jogadas de longa distância.

Yards - jardas. No golfe, as distâncias são medidas em jardas. Cada jarda equivale a 91,4 cm.

 

ORIGEM

A palavra golfe provém do inglês golf que, por sua vez, vem do alemão kolb, que significa taco. Há diversas versões para a origem do esporte. A mais aceita é que ele nasceu na Escócia, há 600 anos, com pescadores e pastores de ovelhas que divertiam-se ao bater com seus cajados em raízes ou pedras para ver quem jogava mais longe.

Quando esses objetos caíam em locais difíceis, como as cavidades feitas pelos pés das ovelhas, ou na lama, eles gostavam porque podiam descobrir quem tinha mais habilidade para sair da dificuldade. Outro desafio era embocar os tais objetos nos buracos feitos por coelhos. A brincadeira se transformou no modelo do jogo de golfe: caminhar, superar dificuldades e embocar a bola em buracos colocados a distâncias diferentes, em média, entre 100 e 500 metros. Com a fundação da Universidade de Saint Andrews, na Escócia, em 1411, muitos estudantes passaram a praticá-lo. O interesse pelo esporte cresceu e, em 1457, o rei James II proibiu o jogo, alegando que os arqueiros estavam se dedicando pouco ao arco e a flecha, deixando de ser eficientes na guerra com a Inglaterra.

Em outros lugares da costa da Escócia, pessoas que jogavam golfe no campo durante o sermão nas igrejas eram punidas. Na primeira falta eram advertidas, na segunda o "infiel" era multado em dinheiro e, na terceira vez, excomungado. Mais tarde liberado, o golfe passou a ser praticado pela realeza, como a rainha Mary Stuart. Com a expansão das ferrovias, chegou a diversos países dos cinco continentes.

 

Mais de Um Século no Brasil

O golfe chegou à América do Sul através dos engenheiros e funcionários de empresas escocesas e inglesas que construiam estradas de ferro. O primeiro país sul-americano a adotar o esporte foi a Argentina, em 1878.

No Brasil, o primeiro campo surgiu em São Paulo, em 1901, pelos ingleses que vieram construir a São Paulo Railway, num terreno dos monges beneditinos do Mosteiro de São Bento, nas proximidades da Estação da Luz e do rio Tietê.

A expansão da cidade obrigou os ingleses a mudarem para um terreno próximo à atual confluência das Avenidas Paulista e Brigadeiro Luiz Antônio. Por isso, o local passou a ser chamado de Morro dos Ingleses.

Em nova mudança, o campo foi para o bairro do Jabaquara e, em 1915, para Santo Amaro, consolidando o São Paulo Golf Club, o mais antigo do Brasil. No mesmo ano surgiram mais dois campos, em Santana do Livramento (RS) e em São Vicente (SP). No Rio de Janeiro, o golfe começou em 1920, com a inauguração do Gávea Golf & Country Club. Dez anos depois, surgiu o Itanhangá Golf Club, um campo fácil, construído - dizem - para facilitar o jogo do presidente Getúlio Vargas, que nunca jogava bem no difícil Gávea. Hoje há campos em boa parte dos estados brasileiros.

 

34 Regras e Muitas Decisões

As primeiras regras do golfe foram elaboradas pela Honourable Company of Edimburgh Golfers, na Escócia, em 1744, ano em que o Conselho da cidade de Edimburgo doou um taco de prata para ser disputado anualmente no campo de cinco buracos de Leith.

Para o torneio, aberto a golfistas da Inglaterra e Irlanda, foi elaborado um pequeno regulamento do jogo. Dez anos mais tarde, em 1754, a Society of Saint Andrews Golfers deu redação final ao regulamento e publicou uma relação de 13 regras que formam a base das 34 existentes hoje. Por ser jogado ao ar livre e em campos de topografias e dimensões diferentes, as ocorrências novas, que não estão nas regras, ocasionadas pela natureza, como chuva, árvores, pássaros e outros animais, e terrenos em reparação, são decididas pelas comissões técnicas locais e, sendo relevantes, levadas ao Comitê de Regras Internacional, que pode incluí-las no livro "Decisões sobre Regras de Golfe".

As "Decisões sobre Regras do Golfe" são revistas a cada quatro anos pelo Royal and Ancient Golf Club of Saint Andrews (clube-berço do golfe, na Escócia) e United States Golf Association (EUA), analisando sugestões e consultas feitas a entidades de outros países.

 

A Evolução das Bolas

Desde que o golfe nasceu, foram investidos milhões de dólares em pesquisas e testes de desenhos e matérias primas, objetivando melhorar o desempenho da bola no ar, através de uma aerodinâmica eficiente em termos de rotação, distância e trajetória.

As bolas oficiais seguem as especificações internacionais determinadas pela United States Golf Association, em 1922: 4,26cm de diâmetro, peso máximo de 43,23g e 76,2m por segundo, na velocidade máxima inicial.

No começo do esporte, a bola era de madeira. Depois, surgiu a de couro com miolo de penas, que prevaleceu até 1848, quando apareceu a bola moldada em gutta-percha, um sumo extraído de uma árvore da Malásia e da Índia, que se solidifica ao secar. A nova bola deu impulso ao golfe, permitindo o surgimento dos primeiros profissionais do esporte.

Nova evolução veio em 1899, com a invenção da bola com núcleo de borracha, até que em, 1902, surgiu a bola de três componentes, composição básica que permanece até hoje, com as modificações impostas pela tecnologia: núcleo de borracha sólida, envolto por tiras de elástico sob tensão e coberto por fina camada de gutta-percha pintada de branco.

 

14 Tacos, as Armas do Jogador

Apesar de existir maior número de tacos, o jogador só pode utilizar 14 em uma partida. Os tacos são classificados em wood (madeira), para tacadas longas que chegam a cerca de 450m, mas de difícil precisão, e iron (ferro), para jogadas de aproximação e que garantem maior precisão. Há ainda os tacos pitch (para jogadas curtas de aproximação) e putter, para embocar a bola na região do green, onde fica o buraco, e o taco sand, exclusivo para jogar em bancas de areia.

Os primeiros tacos de golfe eram feitos de galhos de árvores, muitos construídos pelos próprios jogadores. O primeiro fabricante oficial de tacos foi William Mayne, de Edimburgo, que tinha entre os clientes o rei James VI, por volta de 1603. Douglas McEwans criou a seguir a cabeça dos tacos em madeira de árvores frutíferas, como macieira, pereira e cerejeiras, até ser descoberto o nogal, planta resistente e de veias grossas. Na seqüência vieram os tacos de ferro, com cabeças quadradas e angulosas. Mas como na época as bolas eram de penas, os ferros causavam grande estrago e só eram usados em ocasiões especiais. Em 1924, surgiram os tacos de aço. Hoje utiliza-se carbono, titânio e outros materiais modernos. Com a evolução técnica dos produtos, os jogadores chegavam a utilizar 25 tacos, e a se preocupar mais com o equipamento do que a sua habilidade. Assim, em 1938, a United States Golf Association e o Royal and Ancient Golf Club of St. Andrews decidiram que o jogador só poderia utilizar 14 tacos por partida.

 

Bolsas Ajudam

As bolsas apareceram no final do século XIX. Até essa época, o golfista ou seu ajudante carregava os tacos nas mãos. O desenvolvimento da qualidade das bolsas aconteceu com a criação da rede nacional de estradas de ferro, o que passou a exigir maior proteção no transporte dos tacos.  Como o número de tacos aumentou, os jogadores passaram a levar a bolsa com os tacos para o campo. Hoje, além dos tacos, o jogador usa a bolsa para levar bolas, luva, toalha, guarda-chuva, livro de regras e outros acessórios.

 

Sapatos Garantem Equilíbrio

Antigamente, os jogadores de golfe utilizavam seus próprios sapatos, botas ou polainas. As mulheres usavam botas compridas, abotoadas e as pessoas menos abastadas, as mesmas botas com que trabalhavam nos campos. Mas a necessidade de ter maior firmeza no solo fez com que fossem criados sapatos especiais para o esporte, por volta de 1930, com cravos de borracha colados à sola.

Modernamente, os sapatos de golfe são leves e desenhados especialmente para oferecer conforto e maleabilidade na execução dos golpes. Além disso, são impermeáveis e protegem contra o frio e a umidade, e os cravos podem ser substituídos.

 

Luvas Finas Permitem Sensibilidade

As luvas surgiram por volta de 1920, nos Estados Unidos, e foram popularizadas na Grã Bretanha por Henry Cotton. Elas são finas e macias, para permitir a sensibilidade das mãos no movimento. Alguns jogadores usam luvas nas duas mãos, mas o usual é o destro usar luva na mão esquerda e o canhoto na mão direita. Alguns experts afirmam que a sensibilidade nos dedos junto ao taco é tão importante que nunca se deveria usar luvas. A maioria dos jogadores, porém, entende que a luva possibilita um grip mais firme, e é importante quando o suor ou a chuva tornam a mão escorregadia, dificultando o golpe. Além disso, ela evita a formação de bolhas e calos nas mãos.

 

Equipamento Para Dias De Chuva

O golfe é um dos poucos esportes que pode ser praticado em dias de chuva, desde que não ocorram alagamento no campo ou tempestades com raios. Guarda-chuva, capa e toalha são indispensáveis, mas devem ser de materiais leves e apropriados. Os produtos modernos fornecem proteção e permitem a transpiração normal do corpo. Em dias de chuva, é preciso cuidado para manter sempre seco o grip dos tacos.

 

Carrinho Acelera o Jogo

Depois da segunda Guerra Mundial, com o aumento do número de golfistas, surgiram os carrinhos para transportar tacos pelo campo. Os primeiros carrinhos eram de puxar, tinham rodas estreitas e marcavam o gramado, problema que foi eliminado com o uso de rodas largas. No Mundial de 1958, foi utilizado pela primeira vez um carrinho elétrico em Saint Andrews para transportar o capitão americano Robert T. Jones Jr., o campeão do Grand Slam de 1930 que, por ser deficiente, foi autorizado a utilizar o veículo.

Os carrinhos elétricos começaram a se tornar mais populares a partir de 1970. O jogo tornou-se mais rápido permitindo que mais pessoas pudessem estar no campo ao mesmo tempo.

Para não danificar os gramados, a maioria dos campos constrói caminhos especiais para os carros, às margens do fairway (campo de jogo). Nos Estados Unidos, o uso do carrinho é obrigatório em muitos campos, mas muitos jogadores discordam, especialmente os da Grã Bretanha, afirmando que o objetivo do golfe é caminhar, em contato com a natureza.

 

BENEFÍCIOS DE UM ESPORTE NOBRE

Poucos esportes se preocupam com a natureza como o golfe. Veja os números obtidos em pesquisas realizadas por universidades.

 

Habitat para espécies silvestres

Mais de 70% da área de um campo de golfe consistem de roughs e áreas não destinadas a jogo, incluindo grama natural, árvores e arbustos. Em conjunto com as áreas livres dos fairways e greens, o campo de golfe é um habitat atraente para espécies silvestres.

 

Gramados protegem o húmus da erosão

O húmus que reveste a superfície da terra é um recurso não renovável rapidamente. Vento e água de chuva podem, pela erosão, transportar essa camada superficial do solo até o leito de rios, lagos e oceanos. Uma vez destruída, a camada não será reconstituída tão cedo.

Os gramados controlam a erosão, aprisionando e reduzindo a velocidade da água das tempestades e enchentes. A grama é sustentada por um conjunto de raízes e brotos muito densos que, ao crescerem, formam material orgânico.

 

Campos melhoram a estética

A grama mantém o ambiente mais fresco em dias quentes além de reduzir a poluição sonora e reduzir o brilho da luz solar, o que não ocorre com o asfalto ou o concreto.

A comunidade ganha beleza e funcionalidade quando áreas previamente danificadas por atividades como mineração ou aterros de lixo são recuperadas, dando lugar a campos de golfe bem projetados e mantidos em funcionamento.

 

Reduz stress e melhora a saúde

Pesquisas mostram que os jogadores reduzem o nível de colesterol ao caminharem uma volta no campo. Em média, uma volta de 9 buracos representa um percurso de três quilômetros e, 18 buracos, cerca de seis quilômetros.

Além dos benefícios do exercício, a apreciação da paisagem ao ar livre é saudável.

 

Absorve água da chuva

A chuva é uma fonte importante de água limpa para manutenção dos lençóis freáticos. Durante as chuvas fortes, grande quantidade de água é depositada em rios e lagos, ficando impossibilitada de atingir as correntes subterrâneas. A grama absorve e filtra a água durante e depois das chuvas. A grama bem cuidada também proporciona condições para o crescimento de minhocas. Os pequenos túneis abertos por elas criam mais espaço para penetração da água que, à medida que entra na grama e no solo, passa por um processo natural de filtragem e limpeza. O processo é tão eficaz que muitos campos se tornam locais de reciclagem de água para comunidades, utilizando água poluída na irrigação.

 

Atenua o calor e purifica o ar

O clima é mais fresco em um parque ou no campo do que nas ruas das grandes cidades. A temperatura mais amena deve-se em parte à maior quantidade de sombra. Mas a grama também ajuda. Nos arredores das cidades, as áreas verdes de grama e árvores podem reduzir até o consumo de energia necessária para equipamentos de ar condicionado.

A grama também melhora a qualidade do ar. Durante o crescimento, absorve dióxido de carbono do ar e libera o oxigênio. Um campo de golfe pode dar oxigênio para até sete mil pessoas, filtra 13 milhões de toneladas por ano e refrigera o ar.

 

Filtra água e preserva mananciais

Nos centros urbanos, a água coletada em estacionamentos, ruas pavimentadas, calçadas e áreas desocupadas, normalmente fica contaminada por poluentes. Áreas gramadas proporcionam ambiente próprio para muitos microorganismos, que auxiliam na limpeza da água, alimentando-se dos poluentes nela contidos e acelerando a quebra de suas moléculas. Campos de golfe podem contribuir como medida corretiva e economicamente viável. Construídos junto a rios e represas, representam áreas para a prática do esporte, geração de empregos e garantia da reserva de mananciais.

 

Pragas, pólen e doenças

Grama densa e bem tratada auxilia na redução de ervas daninhas e do pólen que agravam a condição de pessoas alérgicas. Quando a grama é cortada regularmente, é raro o surgimento de flores que liberam pólen. A grama curta inibe o aparecimento de pragas como mosquitos, piolhos e carrapatos.

 

 

Golfe recupera áreas danificadas

Aterros de lixo e áreas de mineração são locais que podem ser perfeitamente recuperados por meio de gramados. As raízes seguram o solo e retêm as águas da chuva, reduzindo a erosão. Ao crescer, a grama produz matéria orgânica que enriquece o solo, permitindo maior retenção de água. Muitas comunidades descobriram que campos de golfe são uma excelente forma para recuperar áreas deterioradas.

 

Reservas verdes

Com o crescimento imobiliário desenfreado, um campo de golfe representa, na maioria das vezes, a única grande reserva verde de uma cidade. Uma praça construída hoje poderá não existir mais amanhã, mas um campo de golfe será sempre um pulmão-verde a purificar o ar que o ser humano precisa.

 

QUALIDADE DE VIDA

 

Crescimento

O golfe é o esporte que mais cresce no mundo: 10% ao ano. É também o esporte que apresenta menor índice de desistência entre os iniciantes: de cada 10 pessoas, 8 continuam a jogar. Hoje, estima-se que 80 milhões de pessoas em todo o mundo joguem golfe. Nos próximos 50 anos, mantido o crescimento atual, deverá chegar a mais de 400 milhões.

 

Todas as idades

O golfe pode ser praticado por pessoas de todas as idades, homens ou mulheres, crianças, jovens, adultos, idosos, porque é jogado caminhando, ou seja, praticando o saudável exercício de andar, o mais recomendado, há anos, pelos médicos.

 

Pessoas sentem-se bem

O esporte faz a pessoa sentir-se bem, porque não exige explosão muscular, mas domínio próprio sobre os movimentos.

 

Busca da natureza

O homem gosta e admira a natureza. Em finais de semana ou férias, ele sai da cidade em busca de ar puro, de liberdade.

 

O QUE ACONTECE NO BRASIL

O Brasil tem cerca de 25 mil praticantes de golfe e 120 campos oficiais. A exemplo do que acontece no mundo, no Brasil também o interesse pelo golfe aumenta substancialmente. Há dois anos tínhamos quatro ou cinco novos projetos. Hoje há perto de 30 projetos, 20 novos campos em construção ou sendo viabilizados e outros em estudo. O número de praticantes no Brasil mostra que o esporte é quase virgem no país, representando excelente oportunidade para investimentos, especialmente em resorts com campos de golfe.

 

Evolução

Os clubes antigamente eram totalmente restritos aos sócios. Atualmente, em muitos já é possível jogar sem ser sócio, pagando uma taxa (green fee) para jogar 18 buracos, com hora marcada.

 
Empresa especializada em golfe. Mais de 20 anos no mercado
Clique aqui e conheça
SIMON PRESS
Assessoria de Comunicação em
esporte, saúde, empresas, eventos. Revistas, catálogos e sites.
 Minigolfe
Locação e eventos
(11) 2280-4962
 Consultoria
Palestras em escolas e empresas (11) 2280-4962
 LEI DO INCENTIVO
Projetos e Gestão - Simon Comunicação
(11) 2280-4962
Anuncie em Golfexpress
(11) 2280-4962